(Ex.: Montadora, veículo, versão, ano, produto)
Translate: BR EN ES
 

Depois de pouco mais de dois anos importado, o Volkswagen Golf de sétima geração se naturaliza brasileiro. Agora fabricado em São José dos Pinhais (PR), o hatch médio passa a ter duas opções de motores flex: o 1.6 16V MSI de 120 cv e o 1.4 TSI, calibrado para oferecer 150 cv. Os preços começam em R$ 74.590.

Agora, a versão Comfortline passa a ser vendida apenas com o motor 1.6. É o mesmo de Fox e SpaceFox Highline, CrossFox e Gol Rallye, com 120 cv a 5.750 rpm e 16,8 mkgf a 4.000 rpm quando com álcool. Ele é combinado com câmbio manual de cinco marchas na versão de entrada ou com câmbio automático de seis marchas, que eleva seu preço a R$ 79.990.

Nos números da Volkswagen, a versão manual chega aos 100 km/h após 10,4 s de aceleração e à máxima de 188 km/h. Já o automático cumpre o mesmo em 11,6 s, com máxima de 184 km/h.

De série, o Golf Comfortline tem sete airbags, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, bloqueio eletrônico do diferencial, faróis de neblina com luz de conversão estática, Isofix, rodas aro 16”, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, ar-condicionado manual e central multimídia Composition Media, com MirrorLink, Apple CarPlay e Android Auto, mas sem GPS. O volante é de couro, mas o multifuncional e as borboletas para trocas sequenciais são opcionais, assim como o ar-condiconado automático, que antes não estava disponível para a versão.

A versão Highline passa a ter exclusividade sobre o motor 1.4 TSI, que passou por mudanças para queimar etanol. Agora, rende 150 cv a 4.500 rpm, 10 cv a mais que antes, e o mesmo torque de 25,5 mkgf a 1.500 rpm. Os números com gasolina não mudam. O câmbio manual de seis marchas também é exclusividade dele e nesta configuração custa R$ 91.290. O câmbio DSG de dupla embreagem e sete marchas foi trocado pelo automático de seis marchas. Com ele, custa  R$ 96.690.

Com este novo conjunto, o Golf 1.4 TSI chega aos 100km/h em 8,3 s (0,1 s a menos que antes, comparando entre os números da própria Volks), com máxima de 209 km/h com câmbio manual. Já com o automático, cumpre a tarefa em 8,6 s (0,2 s mais lento que o DSG) e chega à máxima de 204 km/h.

O sistema start-stop foi mantido e também tem ar-condicionado automático, lanternas de LED, volante multifuncional e sensores de chuva e luminosidade. Bancos de couro passam a ser de série e suas rodas aro 17” eram opcionais anteriormente.

Como nas gerações anteriores, o Golf volta a ter suspensão traseira do tipo eixo de torção nas versões Comfortline e Highline. Nos carros que vieram da Alemanha e México o conjunto era do tipo multilink, independente para cada roda.

Quem defende os bons costumes é o Golf GTI, que agora parte dos 117.990. Seu motor 2.0 de 220 cv a 4.500 rpm e 35,7 mkgf de torque a 1.500 rpm continua queimando apenas gasolina. A sociedade com o câmbio DSG de seis marchas continua, garantindo os mesmos 7,2 s de 0 a 100 km/h e 237 km/h de máxima. 

De novidade, o GTI nacional tem como novidade as rodas aro 18" Austin, clássicas lá fora, entre os opcionais. O sistema de som da Fender, que é oferecido ao Fusca, também passa a ser opcional para o GTI. Para os que apreciam o clássico tecido xadrez nos bancos do GTI, agora é possível acrescentar quase todos os opcionais sem ser obrigado a ter couro nos bancos. 

[Fonte: Car And Driver]